Início
Boas-Vindas
Identidade
Textos Inspiradores
Organização Geral
Plano de Atividades
Departamentos
Educação Especial
Gab. de Serviço Social
Gab. Psicopedagógico
Diálogos
Biblioteca Geral
Pastoral
+ FAMÍLIA
Blog Eco-Escola INA
Exames Nacionais 2017
Manuais Escol. 2017/18
Notícias
Todas as notícias
Atalhos Úteis
Contacto Geral
Outros Contactos
Ligações
Pesquisar
Ajuda

Início Pastoral

O que é a Pastoral PDF Versão para impressão

A Pastoral

A Pastoral é um serviço que o Colégio das Caldinhas, pela sua própria identidade e especificidade, proporciona aos seus alunos e aos seus educadores, procurando promover uma educação integral e um acompanhamento pessoal através de uma descoberta de Deus e da oferta de um olhar sobre o mundo cheio do Seu Amor e da Sua esperança. A Espiritualidade Inaciana é o seu fundamento e nasce a partir da vida de Santo Inácio de Loiola, basco nobre do séc.XVI que com mais 9 companheiros fundou a Companhia de Jesus. Ao longo de uma vida atribulada e crescentemente atenta à presença de Deus no seu interior, Inácio foi escrevendo o pequenino mas profundo manual dos Exercícios Espirituais, proposta de retiro capaz de proporcionar essa mesma experiência a outros. Esta espiritualidade é hoje seguida por um grande conjunto de pessoas, congregações religiosas e movimentos de leigos.

As 5 chaves da espiritualidade inaciana

i) Como ponto de partida, um Deus visto como o Absoluto da vida da pessoa, desejando a sua felicidade e o seu bem. Foi o próprio Inácio a descrever a sua experiência de Deus como a de “uma criança levada cuidadosamente pela mão”.

ii) Um Deus presente em todas as coisas, e por isso imprimindo nelas a sua bondade: tudo é bom! Ao contemplar o céu estrelado de Roma, Inácio sentia uma alegria e consolação profundas, pois as estrelas falavam-lhe poderosamente do seu Criador e Senhor.

iii) Um desafio, o de crescer em liberdade interior, disponibilidade constante para o uso certo de todos os bens. Inácio era também muito consciente dos “enganos do coração”, e conhecia por experiência própria como o egoísmo no uso de qualquer realidade (bens materiais, relações pessoais, situações, etc.) pode “desviar” o serviço do Bem no mundo. Daí a necessidade da liberdade interior que vem de estarmos centrados em Deus e voltados para o serviço dos homens. O pecado nasce precisamente da falta dessa liberdade, e mais do que não cumprir regras, é “errar o alvo” (origem etimológica da palavra) no caminho do que nos faz plenamente humanos.

iv) Uma arte, a de viver bem e com paz cada momento da vida, seja ele alegre ou mais difícil. Para Inácio, a vida “correr bem” ou “correr mal” não depende dos eventos exteriores, do maior ou menor sucesso, da saúde ou da doença. A promessa de Deus não é uma vida facilitada, mas a Sua presença e proximidade para ajudar a viver mesmo as circunstâncias mais duras. Por isso um aparente sucesso na vida, seja fama ou poder, pode afastar dos outros e do seu serviço; e um fracasso, pelo contrário, pode ter como resultado a consciência da não auto-suficiência e da necessidade dos outros e de Deus.

v) Um método, a forma de encontrar os desafios de Deus no coração do homem, partindo da consciência das consolações (alegria e paz interior) e desolações (inquietação e “falta de sintonia”). As primeiras indicam o caminho a seguir, as segundas revelam as opções a evitar.   

O magis inaciano

O mais característico da espiritualidade inaciana é a sua capacidade de fazer sair o melhor de cada um, (“magis” em latim) através do aprofundamento do mundo interior da pessoa onde o próprio Deus habita e se revela. O magis não é a perfeição segundo uma qualquer regra ou medida, mas o mais que é único em cada pessoa, onde as três dimensões da vida se encontram: o amor a Deus, o serviço ao próximo, e a felicidade de sabermos que estamos no caminho certo. Passa menos pela pessoa decidir que esforço quer oferecer a Deus, mas por em primeiro lugar se pôr à escuta: “Senhor, aqui estou! Onde queres que Te sirva?”

Quem “se mete” com Deus desta forma arrisca muito, pois Ele é pródigo em “ficar com o braço de quem lhe oferece a mão”. Porque Deus não pode nem quer melhorar o mundo sozinho, e precisa de cada um de nós para o fazer! Nas palavras de Teresa de Lisieux, “poucas pessoas sabem o que Deus faria com elas, se tivessem a coragem de se entregar a Ele completamente”. No fundo nada há a temer, pois Deus é o primeiro a desejar para nós a “vida em abundância”! Ainda hoje a espiritualidade inaciana desafia muitos a “não desistir dos seus grandes sonhos” (P. Adolfo Nicolàs, atual superior geral dos jesuítas), sejam eles um emprego onde se ganha menos mas onde se faz mais bem, um ano de voluntariado em África ou Timor com uma ONG como os Leigos para o Desenvolvimento, ou mesmo o fascínio de uma vida consagrada ao serviço de Deus e do próximo.

Semana Inaciana 2013 - Visão Geral de toda a semana:

Actualizado em Sexta, 10 Janeiro 2014 01:12
 
 
 
©2017 INA - Instituto Nun'Alvres. Todos os direitos reservados.